[Entrevista] Deivid Bitti explica o AWS Database Freedom

Deivid Bitti Flexa Cloud

O Database Freedom é um programa exclusivo desenvolvido para ajudar empresas a migrar dos mecanismos de banco de dados tradicionais para os nativos da nuvem na AWS.

Na prática, trata-se de um serviço onde são combinados consultoria técnica, suporte à migração e assistência financeira. Com ele, a migração de um banco de dados caro como o Oracle para PostgreSQL fica muito mais fácil, rápida e eficiente.

Nós conversamos com Deivid Bitti, cientista-chefe da Flexa Cloud, que nos contou como funciona o AWS Database Freedom, que vantagens as empresas obtêm e como a Flexa Cloud pode ajudar a planejá-lo e executá-lo.

Confira!

Por que as empresas optam por migrar do Oracle para o PostgreSQL?

O PostgreSQL é um banco de dados open source, ele é livre. Não existe custo de licenciamento. O único custo que a empresa tem, em caso de crescimento, é com a infraestrutura necessária para rodá-lo. Muitas empresas estão desmistificando a questão dos bancos de dados livres, especialmente quando experimentam um crescimento repentino, pois sentem no bolso o quanto manter um banco Oracle, por exemplo, pode ser oneroso. Um sentimento muito comum para essa virada de chave é o de que os fornecedores de bancos de dados deixam a empresa ‘construir seu castelo’ em cima de uma tecnologia que é sim boa, mas que a conta para mantê-la vai ficando cada vez mais pesada. 

“Quem está iniciando hoje seu negócio e escolheu Oracle, SQL Server, ou qualquer outro banco licenciado, está muito mal informado, muito mal assessorado”.

— Deivid Bitti.

E por que não há uma debandada massiva para os bancos livres?

É uma pergunta interessante. Se ir para um banco livre é muito mais barato e tecnicamente igual, por que ainda há empresas pagando Oracle? A resposta é que há todo um legado, todo um universo criado em cima desses bancos tradicionais, e dar um giro de 180 graus não é tão simples. Tem também a questão cultural; tem gente que ainda não se convenceu ou não tem informação suficiente para tomar essa decisão. E, não podemos negar, existe um lobby muito grande dos grandes players da indústria de bancos de dados. Mas, é interessante ver que fintechs e startups em geral, que são de longe as organizações mais inovadoras hoje, rodam workloads em bancos de dados livres que muitas gigantes nem sonham em rodar. Uma coisa é ter uma Vale, que tem um ERP local para 5 mil pessoas amparado por um Oracle com milhões de dólares de licenciamento; outra é uma startup cujo core business é um serviço online que roda para um número 10 vezes maior que esse gastando em um ano muito menos que a Vale gasta em um mês. 

“Muito em breve todos os fornecedores de sistemas vão possibilitar que seus produtos sejam rodados em bancos open source”.

— Deivid Bitti.

Então é correto dizer que as empresas que estão começando já deveriam dar o start com um banco livre?

Quem está iniciando hoje seu negócio e escolheu Oracle ou SQL Server,ou qualquer outro banco licenciado, está muito mal informado, muito mal assessorado. Por que estruturar um negócio se quando estiver atendendo 100 mil pessoas ao mesmo tempo, você vai estar dando mais dinheiro para a Microsoft e para a Oracle do que você está ganhando? A mesma coisa são as empresas médias, que começaram em bancos tradicionais: é importante migrar para o banco livre. Agora, se a companhia comprou um ERP que só roda com Oracle, infelizmente, ela está presa ao Oracle. A boa notícia é que muito em breve todos os fornecedores de sistemas vão possibilitar que seus produtos sejam rodados em bancos open source. É uma tendência irreversível.

Por que as empresas precisam de um serviço como o AWS Database Freedom para migrar?

A iniciativa Database Freedom visa dar ferramentas para que a migração seja realizada de maneira automatizada e com impacto praticamente zero para a operação da empresa. É, praticamente, um robô que entra dentro da aplicação que foi feita em um banco e reescreve ela para funcionar em outro. Em outras palavras, eu entro em tudo o que foi escrito em Oracle e consigo reescrever em PostgreSQL; aí essa aplicação ‘não vai saber’ que está rodando em outro banco. Isso reduz muito os custos de migração. Outra, eu posso migrar dados online de um banco pago para um banco open source; eu pego, por exemplo, os dados do SQL Server e mando para o PostgreSQL em tempo real, replicando. E há muitos ganhos nessa disrupção; nessa migração de banco tradicional para open source. Eles vão desde auto escalabilidade, replicação, redução vertiginosa de custos em curto, médio e longo prazo… 

Você tem um caso de sucesso de aplicação do AWS Database Freedom para contar?

Claro, eu até já citei aqui a SAIPOS, que é uma startup que fornece sistemas para gerenciamento de restaurantes e bares para milhares de clientes no Brasil todo. Eles estão no Rio Grande do Sul e são hoje a empresa que mais transaciona pedidos com plataformas do iFood, da Uber Eats e da Rappi. A Saipos iniciou e criou seus produtos em cima do Oracle, só que o crescimento vertiginoso começou a gerar indisponibilidades — o que, nos horários de pico, pode causar prejuízos na casa dos milhões de reais. Então, o desafio da gente era criar uma nova base Aurora PostgreSQL e fazer vários ensaios de migração, para, ao mesmo tempo, ir adaptando a aplicação para funcionar nessa nova realidade. Aí, depois dessas várias simulações, fizemos a migração numa madrugada onde deixamos o banco de dados replicando do Oracle para o PostgreSQL e ativamos uma replicação do Postgre para o Oracle; dessa forma, se tivéssemos problemas, tínhamos como voltar para o cenário anterior. Ficamos uma semana analisando e deu muito certo. Hoje eles estão rodando 100% em open source. Tudo foi feito à distância. Aliás, hoje são pouquíssimos clientes que a gente precisa fazer visita para aplicar um projeto de Database Freedom. 

→ Conheça, em detalhes, o case SAIPOS!

“Aplicações que não têm regras de negócio escritas em bancos de dados e a tecnologia de desenvolvimento é agnóstica, são migradas em duas sprints”.

— Deivid Bitti.

Esse processo de migração, a partir do AWS Database Freedom, dura quanto tempo?

Isso depende muito da complexidade da aplicação e do tanto que essa aplicação precisa ser revista. Mas, por exemplo, aplicações que não têm regras de negócio escritas em bancos de dados e a tecnologia de desenvolvimento é agnóstica, são migradas em duas sprints. No caso da SAIPOS, eles tinham toneladas de códigos de back end escritos no banco, e aí foi um projeto de uns quatro meses, pois eles precisaram rever a aplicação; nós reescrevemos todas essas partes do backend e foram modificados alguns tipos de dados, entre outras coisas. Também acho importante dizer que em mais de 98% das vezes, o cliente não precisa ter nenhum tipo de atuação; e, da nossa parte, um só profissional atua, pois são usadas soluções de Inteligência Artificial, que estão dentro da iniciativa de Database Freedom da AWS.

Sobre a Flexa Cloud

Fundada em 2008, a Flexa IT iniciou como uma empresa de desenvolvimento de Software. Em seguida, sempre antenada com o mercado, em 2013 firmou parceria com a Amazon Web Services (AWS).

Com uma bandeira fincada no futuro, a Flexa IT transformou-se em uma empresa referência nacional em nuvem.

Em 2017 mudou seu nome para Flexa Cloud, consolidando definitivamente sua vocação em ajudar as empresas em sua jornada para a nuvem.

Com uma visão ampla, os serviços da Flexa consideram sempre os seguintes pilares:

  • Excelência operacional;
  • Segurança;
  • Confiabilidade;
  • Eficiência de performance;
  • Otimização de custos.

Hoje, após centenas de cases bem-sucedidos, a Flexa Cloud se posicionou como uma empresa com expertise para conduzir com segurança as organizações em sua jornada para a nuvem.

Na esteira da busca em dar a melhor experiência aos nossos clientes, a Flexa Cloud faz ao longo do tempo parcerias estratégicas que visam complementar seu portfólio de serviços , a saber:

  • New Relic;
  • Bit Defender;
  • Mattilion;
  • Dataguise.

A experiência acumulada nas várias implementações realizadas desde de 2013, encurta caminhos e traz uma robustez consistente na entrega dos serviços. 

A etapa de implementação é estruturada com base nas melhores práticas de gerenciamento de projetos e tem no ITIL a base para os serviços na etapa de sustentação.

Se não bastasse isso, nossos colaboradores são treinados e certificados o que  proporciona a tranquilidade necessária nessa jornada. 

Aqui na Flexa Cloud, nossa premissa básica é o cliente. Por isso, nossos serviços buscam encantá-lo, fazendo com que ele seja o maior promotor da nossa marca.

Faça contato, teremos o maior prazer em levar sua empresa às nuvens!