Inteligência de Ameaças: quais são os benefícios dessa estratégia?

benefícios inteligência de ameaças - Flexa Cloud

Os diversos casos de uso da inteligência de ameaças a tornam um recurso essencial para equipes multifuncionais em qualquer organização. 

Embora seja talvez o mais valioso imediatamente quando ajuda a evitar um ataque, a inteligência de ameaças também é uma parte útil da triagem, análise de risco, gerenciamento de vulnerabilidades e tomada de decisões de amplo escopo.

Confira!

→ Antes de avançar na leitura deste artigo, talvez você queira dar uma olhada nos textos anteriores que já publicamos. Aqui estão eles:

  1. Inteligência de Ameaças: por que essa estratégia é importante para as empresas?
  2. Tipos de inteligência de ameaças: qual deles implementar em sua empresa?

A inteligência de ameaças fornece respostas a incidentes

Os analistas de segurança encarregados da resposta a incidentes relatam alguns dos mais altos níveis de estresse do setor, e não é de admirar o porquê. A taxa de incidentes cibernéticos aumentou constantemente nas últimas duas décadas, e uma alta proporção de alertas diários acabou sendo falsa positivos. 

Ao lidar com incidentes reais, os analistas geralmente precisam gastar tempo classificando minuciosamente os dados manualmente para avaliar o problema.

A inteligência de ameaças reduz a pressão de várias maneiras:

  • identificando e descartando automaticamente falsos positivos;
  • enriquecendo alertas com contexto em tempo real, como pontuações de risco personalizadas;
  • comparando informações de fontes internas e externas.

Veja agora como uma estratégia de inteligência de ameaças bem estruturada e executada potencializa a resposta ágil e eficiente a incidentes!

A inteligência de ameaças melhora as operações de segurança

A maioria das equipes de operações de segurança deve lidar com grandes volumes de alertas gerados pelas redes que monitoram. A triagem desses alertas leva muito tempo e muitos nunca são investigados, gerando uma certa “fadiga” que leva os profissionais a não considerar a seriedade dos problemas como deveriam. 

A inteligência contra ameaças resolve muitos desses problemas, ajudando a coletar informações com mais rapidez e precisão, filtrar alarmes falsos, acelerar a triagem e simplificar a análise. Com ela, os analistas podem parar de perder tempo buscando alertas com base em:

  • ações com maior probabilidade de serem inócuas do que maliciosas;
  • ataques que não são relevantes para a empresa;
  • ataques para os quais já existem defesas e controles.

Além de acelerar a triagem, a inteligência de ameaças pode ajudar as equipes de segurança a simplificar a análise e a contenção de incidentes.

Torna o gerenciamento de vulnerabilidades mais potente

O gerenciamento eficaz de vulnerabilidades significa mudar de uma abordagem de “corrigir tudo, o tempo todo” — que ninguém pode alcançar de forma realista — para priorizar com base no risco real.

Embora o número de ameaças tenha aumentado a cada ano, pesquisas mostram que a maioria delas tem como alvo a mesma pequena proporção de vulnerabilidades. Os agentes de ameaças também são mais rápidos: agora leva apenas quinze dias, em média, entre o anúncio de uma nova vulnerabilidade e o aparecimento de uma exploração direcionada a ela.

Isso tem duas implicações:

  1. Você tem duas semanas para corrigir seus sistemas contra uma nova exploração. Se não puder efetuar correções nesse período, tenha um plano para mitigar os danos.
  2. Se uma nova vulnerabilidade não for explorada dentro de duas semanas a três meses, corrigi-la pode ter prioridade mais baixa.

A inteligência de ameaças ajuda a identificar as vulnerabilidades que representam um risco real para sua organização, combinando dados de varredura de vulnerabilidade interna, dados externos e contexto adicional sobre os agentes de ameaças.

Facilita a análise de riscos

A modelagem de risco pode ser uma maneira útil para as organizações definirem prioridades de investimento. Mas muitos modelos de risco sofrem de resultados vagos e não quantificados que são compilados às pressas, com base em informações parciais, em suposições infundadas ou sobre as quais é difícil agir.

A inteligência de ameaças fornece contexto que ajuda a fazer medições de risco definidas. Ela pode ajudar a responder perguntas como:

  • Quais agentes de ameaças estão usando esse ataque e têm como alvo nosso setor?
  • Com que frequência esse ataque específico foi observado recentemente por empresas como a nossa?
  • A tendência é de alta ou de baixa?
  • Quais vulnerabilidades esse ataque explora e essas vulnerabilidades estão presentes em nossa empresa?
  • Que tipo de dano, técnico e financeiro, esse ataque causou em empresas como a nossa?

Garante prevenção de fraudes

Para manter sua organização segura, não basta apenas detectar e responder às ameaças que já exploram seus sistemas. Você também precisa evitar usos fraudulentos de seus dados ou marca.

A inteligência de ameaças coletada de comunidades criminosas clandestinas fornece uma janela para as motivações, métodos e táticas dos agentes de ameaças. Especialmente quando está correlacionada com informações da web de superfície, incluindo feeds e indicadores técnicos.

Use a inteligência de ameaças para evitar:

  • Fraude de pagamento — O monitoramento de fontes como comunidades criminosas, sites de colagem e outros fóruns para números de cartões de pagamento relevantes, números de identificação bancária ou referências específicas a instituições financeiras pode fornecer avisos antecipados de ataques futuros que podem afetar sua organização.
  • Dados comprometidos — Os cibercriminosos carregam regularmente caches massivos de nomes de usuário e senhas na dark web, ou disponibilizando-os para venda em mercados clandestinos. Monitore essas fontes para ficar atento a credenciais vazadas, dados corporativos ou código proprietário.
  • Typosquatting — Receba alertas em tempo real sobre domínios de phishing e typosquatting recém-registrados para evitar que cibercriminosos se passem por sua marca e defraudem usuários desavisados.

Liderança de segurança

Os líderes de segurança devem gerenciar os riscos equilibrando os recursos disponíveis limitados com a necessidade de proteger suas organizações contra ameaças em constante evolução. 

A inteligência de ameaças pode ajudar a mapear o cenário de riscos, calcular impactos e fornecer à equipe de segurança o contexto para tomar decisões melhores e mais rápidas.

Hoje, os líderes de segurança devem:

  • avaliar riscos comerciais e técnicos, incluindo ameaças emergentes e “incógnitas conhecidas” que podem afetar os negócios;
  • identificar as estratégias e tecnologias certas para mitigar os riscos;
  • comunicar a natureza dos riscos à alta administração e justificar os investimentos em medidas defensivas.

A inteligência de ameaças pode ser um recurso crítico para todas essas atividades, fornecendo informações sobre tendências gerais, como:

  • quais tipos de ataques estão se tornando mais (ou menos) frequentes;
  • quais tipos de ataques são mais caros para as vítimas;
  • que novos tipos de agentes de ameaças estão surgindo e os ativos e empresas que eles visam;
  • quais práticas e tecnologias de segurança que se mostraram mais (ou menos) bem-sucedidas em interromper ou mitigar esses ataques.

Ele também pode permitir que grupos de segurança avaliem se uma ameaça emergente provavelmente afetará a empresa com base em fatores como:

  • Indústria — A ameaça está afetando outros negócios em nossa vertical?
  • Tecnologia — A ameaça envolve o comprometimento de software, hardware ou outras tecnologias usadas em nosso negócio?
  • Geografia — A ameaça tem como alvo instalações nas regiões onde temos operações?
  • Método de ataque — Os métodos usados ​​no ataque, incluindo engenharia social e métodos técnicos, foram usados ​​com sucesso contra nossa empresa ou similares?

Com esses tipos de inteligência, reunidos de um amplo conjunto de fontes de dados externas, os tomadores de decisões de segurança obtêm uma visão holística do cenário de risco cibernético e dos maiores riscos.

Reduz os riscos que vêm de terceiros

Inúmeras organizações estão transformando a maneira como fazem negócios por meio de processos digitais. Elas estão movendo dados de redes internas para a nuvem e coletando mais informações do que nunca.

Tornar os dados mais fáceis de coletar, armazenar e analisar certamente está mudando muitos setores para melhor, mas esse fluxo livre de informações tem um preço. 

Isso significa que, para avaliar o risco de nossa própria organização, também devemos considerar a segurança de nossos parceiros, fornecedores e outros terceiros.

Infelizmente, muitas das práticas de gerenciamento de risco de terceiros mais comuns empregadas hoje estão atrasadas em relação aos requisitos de segurança. 

Avaliações estáticas, como auditorias financeiras e verificações de certificados de segurança, ainda são importantes, mas geralmente carecem de contexto e nem sempre são oportunas. Há uma necessidade de uma solução que ofereça contexto em tempo real no cenário real de ameaças.

A inteligência de ameaças é uma maneira de fazer exatamente isso. Essa estratégia pode fornecer transparência nos ambientes dos terceiros com os quais você trabalha. Isso fornecendo alertas em tempo real sobre ameaças e alterações em seus riscos.

Como o tema da inteligência de ameaças está sendo tratado na sua empresa? Aprofunde-se mais neste conceito baixando o eBook que acabamos de lançar!

Clique aqui para download